Homilias

Sepulcro aberto

Cristo voltou à vida. O Amor de Deus em Jesus Cristo é mais forte que as espadas, mais forte que a morte. Esta é a passagem, a Páscoa, da morte à vida, das trevas à luz, do medo à confiança, da desolação ao encontro.

Início da Semana Santa

Jesus não vem sobre cavalos, protegido por soldados bem armados, caminha sobre um burrito! É o mensageiro da paz. Não tem guardas, mas discípulos da Sua bondade.

Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas se morrer, dará muito fruto. Quem ama a sua vida, perdê-la-á, e quem despreza a sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna.

Domingo Laetare

Este é o Domingo (Laetare) que nos faz sentir e saborear, dizer e viver a alegria. E o motivo e conteúdo da alegria é Jesus Cristo e o Seu mistério pascal, mistério de amor e compaixão, de ternura e perdão.

Proposta de homilia para o terceiro Domingo da Quaresma, ano B, em que Jesus expulsa os vendilhões do Templo e anuncia a Sua morte e a Ressurreição, três dias depois.

Reflexão da Palavra de Deus, referente ao segundo Domingo da Quaresma, apresentando-nos, no Evangelho, a transfiguração de Jesus.

No primeiro Domingo deste tempo de graça e de caminhada, as tentações de Jesus no deserto e no início da vida pública, mas também em outros momentos, mostrando-nos a cumplicidade com o Pai na oração e na entrega a todos os que encontra necessitados de pão, de atenção e de bênção.

O leproso do evangelho arrisca muito, a própria vida, para ir ter com Jesus e Lhe suplicar: «Se quiseres, podes curar-me». Poderia ser escorraçado, mas confia que antes disso acontecer Jesus o socorrerá.

A sogra de São Pedro encontra-se de cama, com febre. Falam-Lhe dela e logo Jesus, como sempre, faz o que está ao Seu alcance. Toma-a pela mão e ela começa a servi-los. A nossa fé é caminho!

Vai a Cafarnaum, permanece, e no sábado seguinte, como bom judeu, entra na Sinagoga para rezar, escutar a Palavra de Deus e refletir com os presentes. Diz-nos o evangelista que “todos se maravilhavam com a sua doutrina, porque os ensinava com autoridade e não como os escribas”.